Acesso

Esqueceu sua senha?

Ainda não é cadastrado?

Home
AUTOR: Álvares de Azevedo
Álvares de Azevedo
(Página Wiki)

Recados 1 RECADOS  Nota NOTA  
22 LIVRO(S)
5 FÃ(S)
1 RECADO(S)
0 INDICAÇÕES
0 DE NOTA MÉDIA
o escritor em números
sobre o(a) escritor(a) Álvares de Azevedo
Manuel Antônio Álvares de Azevedo (São Paulo, 12 de setembro de 1831 — Rio de Janeiro, 25 de abril de 1852) foi um escritor da segunda geração romântica (Ultra-Romântica, Byroniana ou Mal-do-século), contista, dramaturgo, poeta e ensaísta brasileiro, autor de Noite na Taverna.

Filho de Inácio Manuel Álvares de Azevedo e Maria Luísa Mota Azevedo, passou a infância no Rio de Janeiro, onde iniciou seus estudos. Voltou a São Paulo (1847) para estudar na Faculdade de Direito do Largo de São Francisco, onde desde logo ganhou fama por brilhantes e precoces produções literárias. Destaca-se pela facilidade de aprender línguas e pelo espírito jovial e sentimental.

Durante o curso de Direito, traduz o quinto ato de Otelo, de Shakespeare; traduz Parisina, de Lord Byron; funda a revista da Sociedade Ensaio Filosófico Paulistano (1849); faz parte da Sociedade Epicuréia; inicia o poema épico O Conde Lopo, do qual só restaram fragmentos.

Não chegou a concluir o curso, pois adoeceu de tuberculose. Porém, o que deu fim real a sua vida foi um tumor na fossa ilíaca que piorou depois de sua queda de cavalo, aos 20 anos. A sua obra compreende: Poesias diversas, Poema do Frade, o drama Macário, o romance O Livro de Fra Gondicário, Noite na Taverna, Cartas, vários Ensaios (Literatura e civilização em Portugal, Lucano, George Sand, Jacques Rolla), e a sua principal obra Lira dos vinte anos (inicialmente planejada para ser publicada num projeto - As Três Liras - em conjunto com Aureliano Lessa e Bernardo Guimarães). É patrono da cadeira 2 da Academia Brasileira de Letras.

Atualmente tem suscitado alguns estudos acadêmicos, dos quais sublinham-se "O Belo e o Disforme", de Cilaine Alves Cunha (EDUSP, 2000), e "Entusiasmo indianista e ironia byroniana" (Tese de Doutorado, USP, 2000); "O poeta leitor. Um estudo das epígrafes ugoanas em Álvares de Azevedo", de Maria C. R. Alves (Dissertação de Mestrado, USP, 1999).

Suas principais influências são: Lord Byron, François-René de Chateaubriand, mas principalmente Alfred de Musset.

Um aspecto característico de sua obra e que tem estimulado mais discussão, diz respeito a sua poética, que ele mesmo definiu como uma "binomia", que consiste em aproximar extremos, numa atitude tipicamente romântica. É importante salientar o prefácio à segunda parte da Lira dos Vinte Anos, um dos pontos críticos de sua obra e na qual define toda a sua poética.

É o primeiro a incorporar o cotidiano na poesia no Brasil, com o poemas Idéias íntimas, da segunda parte da Lira.

Figura na antologia do cancioneiro nacional. E foi muito lido até as duas primeiras décadas do século XX, com constantes reedições de sua poesia e antologias. As últimas encenações de seu drama Macário, foram em 1994 e 2001.

Fonte: Wikipédia
(+) mais

Digite a Palavra

Buscar em


Nenhum evento relacionado.

Confira aqui a lista completa de eventos.

Este espaço é reservado para divulgação de links.

livros publicados por Álvares de Azevedo




















(+) Ver todos os livros publicados por Álvares de Azevedo
fãs de Álvares de Azevedo
LEITOR: Biblioteca Municipal de Penela LEITOR: Fundação Biblioteca Nacional LEITOR: Maura C. Parvatis LEITOR: Leandro Rodrigues LEITOR: Livritus

(+) Ver todos os fãs de Álvares de Azevedo
recados para Álvares de Azevedo
Livritus
Adoro seus livros!      18/05/2012
Adoro os seus livros!
Livrus Negócios Editoriais Ltda
www.livrus.net
livrus@livrus.net
Rua Sete de Abril, 277 • Cj. 10 D
Republica• São Paulo-SP
CEP 01043-906
[11] 3101-3286
LIVRUS Copyright © 2011 Livrus. All rights reserved.